terça-feira, 16 de julho de 2013

Em observação, no CMNG, parte 2



Hoje é 3ª feira, 15 de julho.

São 6h58 e estou no Centro de Medicina Nuclear da Guanabara de Copacabana, aguardando o meu exame de Raio-X.

Estou em uma recepção, com várias cadeiras. Ao meu lado direito, a sala de “DAY CLINIC” e a sala de “ULTRA-SONOGRAFIA” (escrito assim) e, entre as duas, uma porta, sem nada escrito. Logo à minha frente, a TV ligada, e um bebedouro.

Na frente, também, um corredor, que dá acesso a dois balcões e a outra recepção e as salas dos exames.

Sentado na minha frente está um senhor, branco, cabelo castanho. Veste uma calça bege, e uma blusa bege com detalhes em marrom. Está sentado, de braços cruzados, olhando fixa e seriamente para a TV, e tem a cabeça um pouco inclinada. Não consigo ver seu rosto, mas sei que ele olha sério para a televisão. Se ajeita na cadeira, descruza os braços. Tira algo do bolso, olha. Guarda de novo no bolso o que tirou anteriormente. Cruza os braços e as pernas. E, quando cruza as pernas, percebo que está de bermuda, e não de calça. Coça o pé que está cruzado, em cima do joelho. Descruza os braços. Olha para baixo, deixando de prestar atenção na TV, que permanece ligada. Volta a olhar para a TV. Olha para baixo. Volta a olhar para a TV. Olha para baixo. Volta a olhar para a TV. Olha para baixo. Coça o pé. Descruza a perna e cruza para o outro lado. Se ajeita na cadeira e vejo que está mexendo no celular. Pigarreia e olha para mim, meio de lado. Continuo não conseguindo ver seu rosto. Permanece mexendo no celular. Olha para a TV. Descruza a perna, ajeita-se na cadeira, guarda o celular no bolso. Olha para baixo. Olha para a TV. Ajeita-se na cadeira. Olha para trás, para mim. Pigarreia. Ajeita-se na cadeira. Cruza a perna novamente e coloca a mão no seu pé. Vejo que usa um sapatênis marrom, com meia cinza. Olha para o outro lado, onde está escrito DAY CLINIC. Volta a olhar para a TV. Olha para baixo.

Entra uma moça nessa recepção que estamos. Parece técnica da clinica. É loira, cabelo preso, num coque, e usa roupa toda branca (com um jaleco, também branco). Entra na saletinha (sem indicativo na porta) ao lado direito, e sai da saletinha e dessa recepção, andando pelo corredor.

Entra uma outra moça nessa recepção que estamos. É branca, cabelo liso, um pouco aloirado. Usa calça jeans preta, blusa colorida, listrada, blazer preto, sapatilha vilho. Bolsa preta e sacola de pano, cor crua. Aparenta ter cerca de 40 anos. Pára no bebedouro, retira um copo, enche de água, e bebe ali mesmo, de pé. Pega mais um copo de água e bebe. Vem andando e senta em alguma cadeira atrás de mim.

O rapaz na minha frente, levanta, pigarreia, vai ao bebedouro, pega um copo de água, bebe, joga o copo no lixo e volta a se sentar na minha frente. Consigo ver seu rosto. Tem cerca de 43 anos. Pigarreia novamente, e olha para baixo, para o celular. Braços e pernas, agora, estão descruzados. Olha para a TV. Olha para baixo.

A moça passa novamente e vai ao bebedouro. Enche mais um copo de água e bebe, de pé, olhando para a TV.

O senhor na minha frente pigarreia.

A moça permanece de pé, com uma mão na cintura, e a outra segurando o copo d’água, olhando para a TV. Ela caminha pelo corredor, olha para a frente, e vem andando, até onde ela está sentada, vagarosamente, enquanto bebe a sua água.

O senhor na minha frente coça a sobrancelha. Ajeita-se na cadeira, guarda o celular no bolso. Olha para a TV. Olha para baixo. Coça a nuca. Olha para a TV. Cruza os braços. Respira profundamente.

Um rapaz entra nessa recepção que estamos. É branco, alto, gordinho. Usa calça jeans, casaco preto e mochila preta. Aparenta ter cerca de 18 anos. Senta exatamente atrás de mim.

O senhor na minha frente continua de pernas cruzadas, uma das mãos sobre o pé, e olhando a TV, sério.

São 7h24. Fui chamada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário