quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Em observação, no Espaço da Mulher - 61

Hoje é quinta-feira. São 11h19.

Estou no Espaço da Mulher, sentada à mesa.

Ao meu lado direito, uma cadeira com minha mochila em cima. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, mesa e cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

O celular bipa. Whatsapp do grupo Dinheiro no youtube.

Volto ao silêncio.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 62

Hoje é quarta-feira. São 15h56.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa.

Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, uma cadeira vazia.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

O celular bipa. Notificação da agenda do próximo compromisso.

Volto ao silêncio.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 61

Hoje é terça-feira, são 9h04.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa.

Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, uma porta aberta. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes apagadas e tudo silencioso.

O celular bipa. E-mail do Alfredo.

Volto ao silêncio.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Em observação, na fisioterapia - 5

Hoje é segunda-feira. São 12h28.

Estou na clinica de fisioterapia, sentada à recepção.

Ao meu lado direito, um corredor, por onde as pessoas passam. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, um corredor por onde as pessoas passam.

Uma mulher passa na minha frente. É negra, magra, alta. Cabelo preto, liso, comprido, preso em um rabo de cavalo. Veste calça jeans, blusa azul escura, sapatilha preta. Está parada, na minha frente. Passa novamente. Passa novamente carregando um rolo de papel higiênico. Passa novamente, sem o rolo.

Uma mulher passa na minha frente. É branca, baixa, magra.

Uma mulher passa na minha frente. É branca, baixa, magra.

Uma fisioterapeuta passa na minha frente. É branca, baixa, magra.

Uma mulher passa na minha frente. É branca, baixa, magra.

Uma mulher passa na minha frente.

- Boa tarde.

- Boa tarde.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Em observação, na fisioterapia - 3

Hoje é    quarta-feira. São 8h55.

Estou na clinica de fisioterapia, em Copacabana, na recepção, sentada.

Ao meu lado direito, uma cadeira vazia. Ao meu lado esquerdo, parede. Na minha frente, um vão por onde as pessoas passam.

Por aqui, luzes acesas e o som da TV ligada na Globo.

Uma menina entra e senta na cadeira. É branca, magra, baixa, cabelo comprido, cacheado, castanho. Veste um short jeans, blusa branca e sapatilha branca e preta.

Uma fisioterapeuta passa.

- Oi, bom dia.

- Oi.

A fisioterapeuta passa novamente carregando alguns papéis.

Uma senhora passa. Fátima passa. Uma mulher passa. Uma mulher passa e senta ao meu lado.

- Com licença.

- À vontade.

Ela levanta e senta em outra cadeira. É branca, um pouco gordinha, cabelo curto, loiro, e usa óculos. Veste uma bermuda jeans, blusa preta e chinelo havaiana colorido. Carrega uma bolsa de lona verde.

Uma fisioterapeuta passa.


Em observação, na fisioterapia - 4

Hoje é quinta-feira. São 12h49.

Estou na clinica de fisioterapia, em Copacabana, sentada à recepção.

Ao meu lado direito, uma porta aberta. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira com jornal em cima. Na minha frente, um vão/corredor, por onde as pessoas passam.

Por aqui, luzes acesas e a televisão ligada na Globo.

Uma fisioterapeuta passa pela porta e entra.

Uma mulher passa e senta em uma das cadeiras. Ela é branca, magra, baixa. Tem o cabelo loiro, curto, liso, e usa óculos. Veste um conjunto de bermuda e blusa estampado, com laranja, uma bolsa rosa e uma sandália bege.

- Boa tarde.

- Boa tarde.

Uma mulher passa pela minha frente.

Uma fisioterapeuta passa e sai, passando pela porta. Ela passa novamente. É mulata, magra, baixa.

Uma mulher passa e sai, passando pela porta.

- Ela não deve estar ali não...

Uma senhora entra e passa pela minha frente.

- Boa tarde.

Senta ao meu lado esquerdo. É magra, baixa, cabelo grisalho, liso, comprido. Veste calça marrom, blusa azul e sapatilha marrom.

Uma fisioterapeuta passa e sai, passando pela porta.

A senhora ao meu lado pega o óculos e coloca no rosto.

Uma fisioterapeuta passa e entra na sala, ao final do corredor.

A senhora ao meu lado guarda papéis na sua bolsa. Fecha a bolsa. Ajeita o óculos no rosto. Pega um jornal ao lado e começa a lê-lo.

Uma fisioterapeuta passa e sai da sala, pela porta.

- Oi querida, como vai?

Uma mulher passa e sai da sala, pela porta.

A senhora ao meu lado esquerdo pega mais jornais e organiza-os. Começa a ler os jornais.

Uma mulher entra e senta em uma das cadeiras. É branca, gordinha, baixa, e cabelo encaracolado, loiro, curto. Veste uma calça estampada com azul, blusa azul marinho e sandália marrom.

Um homem entra e senta em uma das cadeiras. É mulato, alto, magro, cabelo preto e bastante calvo. Veste uma bermuda quadriculada e blusa sem manga verde e tênis cinza.

A senhora ao meu lado fecha o jornal e coloca-o na cadeira ao lado. Tira o óculos. Guarda na bolsa. Ajeita-se na cadeira. Abre a bolsa e procura alguma coisa.

A Fátima passa pela porta e entra em outra porta, no final do corredor.

A senhora ao meu lado fecha a bolsa, ajeita o cabelo. Tira a bolsa do ombro.

Uma fisioterapeuta passa e sai, passando pela porta.

A senhora ao meu lado ajeita a sua roupa. Ajeita a bolsa no seu colo.

A Fátima passa pela porta e entra em outra porta, no final do corredor.

A senhora ao meu lado ajeita o cabelo. Estica a perna esquerda. Fica vendo televisão. Ajeita a bolsa no seu colo e no seu ombro. Ajeita o cabelo. Abre a bolsa. Procura alguma coisa dentro. Tira documentos, cartões, etc. Guarda os cartões na bolsa e fecha. Ajeita o cabelo. Ajeita a bolsa no seu colo. Ajeita o cabelo novamente. Coça o ouvido. Ajeita o cabelo. Coça o nariz. Ajeita-se na cadeira. 

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Em observação, no Espaço da Mulher - 60

Hoje é segunda-feira. São 8h36.

Estou no Espaço da Mulher, sentada à mesa.

Ao meu lado direito, uma cadeira com minha mochila em cima. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, uma mesa com cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

O celular bipa. Whatsapp do grupo RH em Ação.

Volto ao silêncio.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Em observação, na fisioterapia - 2

Hoje é sexta-feira. São 8h36.

Estou na fisioterapia, em Copacabana, sentada à recepção.

Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, uma senhora sentada. Ela é branca, um pouco gordinha, cabelo curso, castanho, e usa óculos. Veste uma bermuda azul, blusa cinza e sandália preta. Ela está conversando com o senhor do seu outro lado, que não consigo vê-lo. Ela está vendo TV, com as mãos cruzadas na frente do corpo.

- Deve ser porque aqui abre, começa 7h talvez. As meninas para trabalharem chegam às 7h eu acho. Já faz tempo que eu não ando aqui. Agora é que eu voltei. Aqui não tem ar refrigerado. Nossa senhora. Isso também é igual... Eu acho que o mundo está acabando. Eu acho que o mundo vai acabar, né? A gente... Quem vai engolir? A quem vai ruim? Matam, roubam, é uma roubalheira, é uma roubalheira desgraçada... Matam por troco e por nada. A mesma coisa. Agora tá lá fora... E a miséria que fizeram, né? Só dois? E a miséria que fizeram, né? Ah, pronto. É. Eu tenho família lá na França. Sobrinhos, sobrinhos e sobrinhos. Eu tenho um bocado de família lá. Mas já estão muito longe. Mas já estão muito longe. Uns e outros qualquer e não tem perigo nenhum. Mais um chefe de família, coitado. Mas vagabundo não, tá matando é que nem rato. É muito bom. É muito bom, mas... Também tem os seus problemas. Bom dia.

Ela olha para a área da porta, e continua assistindo a TV, com as mãos cruzadas na frente do corpo.

- Ei, bom dia.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Em observação, no Espaço da Mulher - 59

Hoje é quinta-feira, são 10h46.

Estou no Espaço da Mulher, sentada à mesa. Ao meu lado direito, minha mochila em cima da cadeira. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, uma mesa com várias cadeiras vazias.

Por aqui, tudo aceso e silencioso.

O celular bipa. Whatsapp do André.

Volto ao silêncio.

- Não sei como você está aguentando, eu já estou com tonteira.

- E eu tou aqui desde às 8h.

- Nossa... eu já tou com tonteira. Tonta e enjoada.

- Nossa...

- Tchau, um abraço.

- Tchau, outro grande.

A senhora que estava aqui no Espaço da Mulher, lá atrás, foi embora. Era da cooperativa Mistura Carioca e não sei o nome dela.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 60

Hoje é quarta-feira. São 20h38.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada em uma cadeira na recepção. Ao meu lado direito, uma cadeira com meu celular em cima. Ao meu lado esquerdo, parede. Na minha frente, o hall onde fica água e café.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 59

Hoje é terça-feira. São 8h40.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa. Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, a porta aberta. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes apagadas e tudo silencioso.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Em observação, na fisioterapia

Hoje é segunda-feira. São 9h.

Estou na fisioterapia, em Copacabana, sentada na recepção.

Ao meu lado direito, um corredor por onde as pessoas passam. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, um corredor por onde as pessoas passam.

Por aqui, luzes acesas, ventilador ligado, porta aberta e a TV ligada na Globo.

Uma mulher passa na minha frente e senta ao meu lado esquerdo. Passa novamente na minha frente. Ela é branca, baixa, gordinha, carrega uma bolsa preta e uma sacola branca. É loira, cabelo liso, curto, usa óculos. Veste um vestido azul e uma sandália dourada.

Uma funcionária passa na minha frente. É negra, baixa, magra, cabelo preto, liso, e usa óculos. Veste calça jeans, jaleco branco e sapatilha bege. Passa novamente na minha frente.

Um homem passa na minha frente.

- Bom dia.

- Bom dia.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Em observação, no Espaço da Mulher - 58

Hoje é quinta-feira. São 9h20.

Estou no Espaço da Mulher, sentada à mesa. Ao meu lado direito, uma cadeira vazia. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira com minha mochila em cima. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 58

Hoje é quarta-feira. São 16h56.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa. Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, a porta aberta. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

O celular bipa algumas vezes. Whatsapp do Bernardo.

Volto ao silêncio.

O celular bipa algumas vezes. Whatsapp do Bernardo.

Volto ao silêncio.

O celular bipa algumas vezes. Whatsapp do Bernardo.

Volto ao silêncio.

O celular bipa algumas vezes. Whatsapp do Bernardo.

Volto ao silêncio.

O celular bipa algumas vezes. Whatsapp do Bernardo.

Volto ao silêncio.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 57

Hoje é terça-feira. São 15h57.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa. Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, parede. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.

O celular bipa. Lembrete da agenda do próximo paciente.

O netbook bipa. E-mail da Samara que chegou.

Volto ao silêncio.

O netbook bipa. E-mail da Vanessa que chegou.

Volto ao silêncio.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Em observação, na Cortrel - 4

Hoje é segunda-feira. São 12h35.

Estou na CORTREL, no Leblon, na recepção.

Ao meu lado direito, uma cadeira vazia. Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Na minha frente, uma mulher. Ela é branca, magra, alta. Tem o cabelo loiro, liso. Usa óculos. Usa um vestido, longo, estampado, uma sandália bege, uma bolsa marrom, sobre o colo. Mexe em papéis dentro da bolsa. Ela levanta e senta ao meu lado esquerdo.

- Ah, é? É...

Continua mexendo nos papéis, dentro da bolsa.

- Eu vou aqui na farmácia, vou aqui na Vivo aqui em frente. Eu queria ir com você no cantinho do Leblon.a gente tem que marcar a ressonância. A gente tem que ir no DETRAN. Tem que ir com você. Não, diz que você chegou aqui e foi roubado. Inventa outra coisa. Tem. Praia. Ir à praia.

Ela se coça e conversa com um homem, ao seu lado.

- É, tem que ir. Identidade. É. Identidade. Entrevista... E a sua carteira. É. Então vamos, né?

Ela levanta-se e sai.

Agora, ninguém ao meu lado direito, nem esquerdo, nem na minha frente.

Um homem senta na minha frente. É branco, alto, magro, cabelo grisalho. Veste uma bermuda jeans, blusa preta, estampada, chinelo havaianas, óculos escuros preso na blusa e mexe em um celular, iPhone.

Meu celular bipa algumas vezes. Mensagens de whatsapp.

O homem olha para trás, levanta e sai.

Agora, ninguém ao meu lado direito, nem esquerdo, nem na minha frente.

Meu celular bipa algumas vezes. Mensagens de whatsapp.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Em observação, no Psicologia e Coaching - 56

Hoje é quinta-feira. São 14h15.

Estou no consultório Psicologia e Coaching, sentada à mesa.

Ao meu lado direito, parede. Ao meu lado esquerdo, a porta aberta. Na minha frente, duas cadeiras vazias.

Por aqui, luzes acesas e tudo silencioso.