domingo, 26 de julho de 2015

Santinha

(Escrito em 02 de abril de 2014)

Há alguns meses, ganhei uma santinha da minha sogra. Ela foi à Nossa Senhora Aparecida, e trouxe uma santa para mim. Apesar de não-católica, adoro os presentes (todos: religiosos ou não) da sogra e a santa está na minha mesa, ao lado da tela do computador.

A santa veio embrulhada num plástico transparente, e permanece, ali.

À noite, a santa caiu (na mesa mesmo) e não percebi.

Pela manhã, o pai passou no quarto, pra dar um beijo antes de sair para trabalhar.

Saiu do quarto e voltou. Pegou a santinha na mão, olhou pra cara dela:

- Você estava caída, santa. Pronto, eu te coloco em pé de novo.

- Não tinha percebido, pai.

- E porque a santa está embrulhada?

- Porque é um plástico transparente, e está protegendo.

- E porque você não tira o embrulho?

- A santa não vai morrer sufocada, pai.

- Porra, santinha - olhando pra santa - coitada de você. Fica aí, então. Caída e embrulhada.

Pronto, tirei o embrulho. Agora, ela pode respirar aliviada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário