domingo, 10 de março de 2013

Maria Eduarda

O mar estava forte. A onda vinha até onde estávamos.

Resolvemos, portanto, fazer uma pequena barreira de areia - que de nada adiantou - para que o mar não avançasse nosso obstáculo. O mar continuava vindo.

Veio, com ele, Maria Eduarda, que viu aquele castelo baixo e comprido, e agachou-se, para tocá-lo, recém molhado pela onda rebelde.

- Olha, pai, o castelo!

- Oi...

Ela me olhou, séria.  Os olhos, azuis como o céu, igualmente sérios. O cabelo preto, liso, num rabo-de-cavalo desgrenhado. Próprio das crianças que se divertem. Biquíni laranja. Talvez uns 4 anos. 

- Como é o seu nome?

- Maria Eduarda - respondeu baixinho, quase incompreensível.

- Você gosta de praia, Maria Eduarda?

- Gosto muito, eu venho sempre aqui. - já estava (quase) minha amiga.

- Jura? Mas eu venho sempre aqui e nunca vi você aqui. Você já me viu aqui antes?

- Eu já. Uma vez eu vi você, mas você estava longe... Mas eu me lembro de você.

Eu já estava apaixonada. 

- Pai, me dá a pá roxa? 

O pai entregou a pá a menina.

- Mas essa pá é azul, Duda.

- Quando eu digo que a pá é roxa, é porque a pá é roxa. - sábia a menina, sem nem olhar para o pai.

Outra onda veio e destruiu o castelo que ela estava criando, por cima do meu, cuidadosamente.

Soltamos um "ahhhh..." em coro. Maria Eduarda foi com o pai. E eu fiquei desejando ser sua amiga para aprender, com ela, a quando eu disser uma coisa, aquela coisa ser real.

Obrigada, Duda.

Um comentário:

  1. Convicção e segurança - benefício que só as crianças temmm <3
    Quando crescemos, isso se vai....

    ResponderExcluir