sexta-feira, 4 de abril de 2014

Em observação, na Neide's Coiffeur - 4

Hoje é sábado. São 11h24.

Estou no salão Neide’s Coiffeur, em Copacabana, esperando a tinta agir no meu cabelo.

Ao meu lado esquerdo, uma cadeira vazia. Ao meu lado direito, Moisés está sentado. Ele é moreno, alto, magro, tem o cabelo curto, preto. Veste calça jeans, blusa preta (uniforme do salão) e tênis branco. Mexe no celular.

- Aquele dia que tu voltou do...

Atrás de mim, as pessoas passam, para um lado e outro do salão.

Moisés continua mexendo no celular, em silêncio. Mexe no cabelo. Continua mexendo no celular.

Uma cabeleireira passa atrás de mim.

Uma cliente passa atrás de mim, carregando uma bolsa e uma revista. A cliente novamente passa atrás de mim.

Moisés levanta e sai. Agora, ninguém ao meu lado direito e nem ao meu lado esquerdo.

A cliente novamente passa atrás de mim.

Moisés passa atrás de mim.

A faxineira passa atrás de mim, carregando uma vassoura.

Moisés passa atrás de mim.

Uma cliente passa atrás de mim.

Moisés passa atrás de mim carregando um saco plástico. Moisés passa novamente atrás de mim.

Uma manicure passa atrás de mim, carregando o potinho de colocar as mãos. A manicure passa novamente atrás de mim, carregando o mesmo potinho.

Uma cliente passa atrás de mim.

A faxineira passa atrás de mim, varrendo o chão. É mulata, magra, baixa, tem o cabelo preto, liso, preso num coque. Está vestida de bermuda branca, blusa branca e sapatilha vermelha.

Uma cabeleireira passa atrás de mim. É mulata, baixa, gordinha, cabelo curto, encaracolado. Veste calça jeans, blusa do uniforme do salão, preta, e sandália baixa, bege.

A faxineira passa atrás de mim, carregando a vassoura.

Uma cabeleireira senta ao meu lado direito, de costas para mim.

Uma manicure passa atrás de mim, carregando o pote de colocar os pés. E passa novamente atrás de mim. E passa novamente atrás de mim. É branca, baixa, magra. Tem o cabelo vermelho, liso, comprido. Veste calça jeans, blusa branca (do uniforme do salão) e sapato preto.

A faxineira passa atrás de mim.

Uma manicure passa atrás de mim. É branca, baixa, magra. Tem o cabelo comprido, preto, liso, preso num rabo de cavalo. Veste calça jeans, blusa branca (do uniforme do salão) e uma sandália baixa preta. Ela passa novamente atrás de mim. Ela passa novamente atrás de mim.

Uma manicure passa atrás de mim. É mulata, alta, magra, cabelo preto, encaracolado, na altura dos ombros. Veste calça jeans, blusa branca (do uniforme do salão) e sapatilha bege. E passa novamente atrás de mim.

(...)

Agora estou numa área do salão onde são os locais para lavar o cabelo.

Na cadeira do meu lado direito, ninguém.

- Não aguentou, né?

As pessoas passam na minha frente e ao meu lado (onde tem a parte central do salão).

Moisés passa.

Uma cliente passa. É branca, alta, magra, tem o cabelo castanho, liso, comprido. Veste um vestido azul e branco, bolsa vermelha, sandália bege.

- Qual, essa daqui ou essa daqui?

Ela senta ao meu lado.

Uma cliente passa. E passa novamente.

A faxineira passa, carregando um pano.

A cliente ao meu lado estica as pernas. Tem a bolsa no colo e os braços cruzados, sobre a bolsa.

Uma cliente passa. É branca, alta, gordinha, cabelo avermelhado, preso num coque. Veste um vestido listrado, preto e cinza e sandália branca, pochete preta. Usa óculos e carrega uma revista.

Uma manicure passa.

(...)

Voltei para o local do Moisés.

Ninguém ao meu lado direito e nem ao meu lado esquerdo.

- Aquela lá, né? Da Toneleiro. Vou malhar lá. É. Pertinho.

Agora, Moisés está atrás de mim, cortando meu cabelo. Saiu de trás de mim e foi para a frente do salão.

Uma manicure passa atrás de mim.

A faxineira passa atrás de mim.

Moisés volta para trás de mim, para cortar meu cabelo. Sai de trás de mim. Volta para trás de mim. Sai de trás de mim. Volta para atrás de mim, e agora está cortando meu cabelo.

Uma cabeleireira vem para o meu lado esquerdo.

- Fecha lá.

- Luana, tou vendo aqui. Seu cabelo aqui. Não vou conseguir tirar dois dedos não, se não, vai aparecer a nascente do seu cabelo. Vou tirar um dedo. Um dedo e meio. Tá bom. Me espera aí, que eu pedi a comida. Que na hora do almoço eu vou querer. Aí é da Luisa, ela não vai usar aí não. Senta nessa penúltima.

Um rapaz senta ao meu lado esquerdo. É branco, alto, forte.

- Desde 10h da manhã que eu tou me tremendo já. Eu por causa do remédio. E depois que eu como, pára.

Uma cabeleireira passa ao meu lado esquerdo. E passa ao meu lado direito.

- Uhum.

O rapaz que estava sentado ao meu lado esquerdo, levanta e sai.

Moisés continua cortando meu cabelo.

- Eu deixo fio reto aqui atrás, Luana? Pode, né? Vamos manter aqui maior, né? Tá.

Moisés, agora, está do meu lado esquerdo. E, agora, do lado direito cortando o cabelo.

- Medindo. Acredito. Mas seu cabelo ondula, depois de seco. Não pode é ficar muito diferente. Porque tem um lado que ondula mais do que o outro. E aí, amor?

Uma cabeleireira pára do meu lado direito.

Agora, Moisés está ao meu lado esquerdo. Agora, atrás de mim. Agora, do meu lado direito. Agora, atrás de mim. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário