sábado, 30 de novembro de 2013

Roberto e Carla, pais de Igor e Sofia

Eu sou o Roberto, tenho 40 anos e sou um profissional bem sucedido. Sempre atuei como advogado e, hoje em dia, sou Juiz da Vara Cível de Goiânia.

Sou casado com a Carla, minha linda esposa, que cuida da casa e dos nossos dois filhos. Carla foi minha secretária durante anos e, tivemos um romance há alguns anos. Eu já estava separado, mas de pouco tempo. Como ela engravidou, resolvemos casar. Família tradicional do interior de São Paulo.

Primeiro, veio a Sofia, que hoje tem oito. Depois, o Igor, que hoje tem seis.

São filhos bonzinhos. Mas, isso, é pulso firme do pai aqui. Porque, se deixar a educação com a mãe, eles não vão saber a respeito de regras nunca! E é cedo mesmo que a gente ensina. 

Eu pago uma mesada a eles, desde que os dois têm quatro anos. Para eles mesmos saírem com a mãe e comprarem seus doces, balas, chicletes e essas papagaiadas todas de crianças com o dinheiro deles. Sofia é mais gastadeira, porque menina tem essas coisas de cabelo, pulseirinha, brinquinho, anel... Ai... Eu já falei pra Carla: 

- Deixa eles mesmos comprarem as coisas deles! Mesada é pra isso! Presente mesmo é dia das crianças, aniversário e Natal. Ficar dando presentinho toda agora vai acostumá-los mal...

Mas criança é ingênua e eu acabo descobrindo que a mãe dá as coisas escondida de mim. Ela sabe que não gosto. Parece que, além dos meus filhos tenho que, também, educar minha mulher. Onde já se viu isso? Carla já veio pra mim educada, oras! Bom, pelo menos, eu pensava que sim...

E aí, pra educar mãe e filhos, eu resolvi criar uma planilha. Fica na porta da geladeira. É estranho, mas só eu marco a planilha. Eu gostaria muito que a Carla ou as próprias crianças fossem honestas e marcassem, também; mas a mãe faz vista grossa e eu ouço ela sussurrando:

- O pai de vocês só quer o melhor... tenham paciência com ele... a mamãe vai conversar com ele depois... mas não posso garantir, né?

Vale dizer que, esta planilha, eu levei quase um mês para criá-la. Passei quase trinta dias observando as crianças e os comportamentos delas, e criando a lista, no meu iPad. Mostrei para alguns amigos no trabalho, que apoiaram a minha idéia e dividimos as malcriações e falta de educação dos nossos filhos. 

Depois, fui conversar com a Carla, que foi irremediavelmente contra. Eu não lembro, no entanto, de ter pedido a sua opinião. Na verdade, sim. Pedi a opinião sobre quais itens mais podíamos criar na planilha? Ela não quis criar item nenhum, e o controle ficou assim.

Faltar, atrasar ou reclamar para ir à escola - Escola não é lazer: e educação. E custa caro. Se eles reclamarem, vai ser pior. 
Faltar, atrasar ou reclamar para ir ao inglês - Eles querem ir para a Disney, não querem? Precisa falar inglês. Ou o papai vai ficar de intérprete? Graças a Deus, a Carla já falava inglês quando nos casamos. Isso é o básico, não?
Faltar, atrasar ou reclamar para ir à natação - Atividade física é fundamental. No verão, eles se animam de ir ao clube nadar. Mas tem que ir o ano todo. Ou eles preferem ficar obesos, como a minha sogra, a dona Ivone? 
Faltar, atrasar ou reclamar para ir à missa - Eu e a Carla vamos todo domingo à missa, desde antes deles nascerem. Somos uma família, não somos? Domingo, 17h, é dia de missa, goste ou não.
Não fazer as tarefas - Sim, têm que serem feitas. Todos temos tarefas. Eu também tenho, embora as pessoas achem que Juiz não trabalhe.
Não almoçar / jantar - Onde já se viu isso? Comer sanduíche de lanche? Cachorro-quente? Pizza? Isso é uma vez por mês, e olhe lá. Aqui é almoço e janta. Preciso falar, de novo, da "vovó None"?
Não usar óculos - Eu já operei a miopia. Carla opera ano que vem. Todos na família temos tendência. Se eles não usarem os óculos - a Sofia, principalmente - vai piorar com o tempo. 
Não usar aparelho - Eu sou contra, mas eles usaram chupeta até mais do que seis meses. Para quê isso? Aí, claro, ficaram com os dentes tortos. Eu avisava à Carla: "joga essa chupeta fora!". Dentista custa caro. Ter os dentes alinhados e a mordida correta tem um preço. E eles têm que pagar. 
Não escovar os dentes - Eu vou sempre verificar se eles escovaram ou não. Antes de dormir, vou dar um beijo nos dois, e cheiro o hálito deles. Se não tiver escovado os dentes (a Carla não obriga???), eu acordo, e eles têm que ir escovar. A hora que for... 
Não tomar banho - A mesma coisa de escovar os dentes.
Não puxar descarga - O Igor é mais porco que a Sofia. Isso quando não urina a tampa do vaso, pois não lembra de levantá-la antes de usar. Nestes casos, ele mesmo limpa. A empregada aqui de casa - a Nilda, coitada... - é empregada da família; não deles.
Não colocar o cinto de segurança - O trânsito em Goiânia não está fácil. Pra eles quebrarem um pescoço não custa, né? Por mais cuidado que eu tenha...
Não fazer aula de natação - Mesmo no inverno.
Tirar nota baixa na escola / inglês - Eles só estudam e brincam. E comem e dormem. E ainda tiram nota baixa? Pago escola cara, explicadora... Imagina quando eles estiverem na faculdade, e trabalhando? 
Ir de madrugada para a cama dos pais - Eles ficam vendo televisão até tarde, e não conseguem dormir... E vem pra minha casa dizendo que tiveram pesadelo e estavam com medo. Tudo desculpa esfarrapada. Criança dessa idade lá tem pesadelo? Qual a preocupação que eles têm pra ter pesadelo? E quando tiverem vinte, trinta anos? Vão dormir onde quando tiverem pesadelo? Na própria cama, não é? Então...
Pular  no sofá / cadeiras - Já avisei que, se quebrar, vai ter que ser pago um novo com parte da mesada deles. Combinamos em 30%. Combinei, na verdade.
Comer na sala de TV / estar - Lugar de comer é na mesa, sentado, sem fazer sujeira, bagunça e em silêncio.
Deixar roupas / calçados / tolhas largados / jogados - Tem que ensinar com a idade que eles estão, porque, quando for adolescente... já viu...
Deixar as luzes acesas - O  mesmo vale para quando for dormir.
Deixar brinquedos largados / jogados - Brincou, guardou. E eu grito se a Carla ajudá-los. 
Deixar os pratos na mesa - A Nilda não é escrava deles. Eles retiram  seus pratos e copos e colocam na pia. Ou a mão vai cair?
Deixar material largado / jogado - O mesmo motivo dos brinquedos.
Deixar a porta da geladeira aberta - Qual a dificuldade de se fechar a geladeira?
Deixar a TV / Sky / PS3 ligados - Se eu desligo meu note para jantar, porque eles não podem desligar a TV e o jogo? Não tem ninguém vendo e jogando, tem que estar desligado.
Deixar torneiras / chuveiros abertos - Eles ainda vão entender que a água está acabando no Planeta. Eu já estarei morto, mas eles não. É de agora que se economiza... E se educa. Disciplina é tudo.
Deixar as portas / gavetas dos armários abertas - Organização é tudo.
Ofender / xingar / brigar / bater - Eu só tive que bater nos dois umas duas ou três vezes. Tinham três ou quatro anos, não lembro. A mãe disse um não por algum motivo, e eles xingaram-na. Nem lembro bem de quê, mas foi na hora! Levaram! Criança tem que aprender que não pode bater, xingar, nem nada do gênero. Dei um tapa na boca deles que, vou te contar. Funcionou. 
Desobedecer pai ou mãe - Nós não somos amigos deles. Somos PAIS. Tal como a gente vê na igreja, "temente a Deus". Eles têm que ser tementes e obedientes. Nós somos os adultos, eles não. Quando eles tiverem seus filhos, eles saberão o que eu estou dizendo. E, eu tenho certeza, eles se lembrarão disso.

Abaixo, na foto, eu mostro o exemplo.




Pra cada infração dessas cometida - é como multa de trânsito - é descontado um valor da mesada. E assim tem sido feito. 

A cada mês, eles têm sido mais obedientes. A cada mês, têm errado menos. Acho que, em menos de seis meses, eles estarão no ponto.

Preciso dizer que a Carla também tem a planilha de atividades dela? No caso dela, não vou mostrar, porque ia devassar nossa vida de casal. E, já que não pago mesada a ela, o que é descontado, na planilha, são dias sem cartão de crédito, ou passeios que ela gostaria de fazer. Tem funcionado.

E meus colegas de trabalho ainda me perguntam porque eu pareço tão satisfeito...



[Agradecimento à Ângela e Sabrina, por dar nome aos personagens].

Nenhum comentário:

Postar um comentário